quinta-feira, 28 de junho de 2012

EXPERIÊNCIA


Surpresa. Tristeza. Compreensão. Pena. Medo. Muitos sentimentos, pouco tempo para assimilação. Ainda não sei o que pensar. Falta maturidade. O coração diz o que a cabeça não consegue aceitar, muito menos entender. Às vezes eu acho que Deus pensa ser comediante, ou que minha vida é um circo e eu sou a palhaça do picadeiro. Não entendo o propósito de certas coisas. É só para adquirir maturidade e experiência? Não existe uma forma menos traumatizante? É muito triste com o tempo você perder sua ingenuidade, pureza, sua capacidade de acreditar nas pessoas. A minha evolução foge do meu controle. As minhas mudanças me assustam. Preciso aprender a praticar o desapego, aprender a ser leve e me importar menos. É difícil quando você se importa mais com quem está ao seu lado do que com você mesmo. Ser egoísta deixa de ser necessário e passa a ser vital. Deixar de ser fiel à minha própria natureza, jamais. Mas me vejo sem escolhas. Refrear. Reconsiderar. Renegar. Mas nunca deixar de viver.

terça-feira, 19 de junho de 2012

CHEGADA


Ela chegou. Eu sorri. Nós dois queríamos. Sem promessas, cobranças, sem o peso do compromisso. Só a leveza da paixão. O interesse mútuo.  A ânsia do descobrimento, saber se daria certo. Você apareceu quando eu menos esperava. Quando minhas esperanças de esquecê-la tinham se esgotado. Chegou como um sopro de vida. Uma luz na escuridão. Trouxe a brisa da primavera, a leveza para meus dias de caos. Trouxe espontaneidade, simplicidade, molecagem. Tudo com você é fácil e simples. Acontece de forma natural. Gostoso de viver.  Não existe bicho de sete cabeças. Sem aqueles traumas passados. Vamos viver como se fosse nosso primeiro romance. 

domingo, 17 de junho de 2012

ESMOLA


Eu que pensei, e não falei. Desliguei no primeiro toque, salvei a mensagem nos rascunhos, falei que tudo estava bem. A gente se via, se entendia, se completava. Eu do lado de cá, confusa, complicada, sentimentalmente precária. E você de lá, alegre, espontâneo, ingênuo e cheio de amor pra dar. Pra dar, doar, emprestar. Eu só pedia uma moedinha desse seu cofre abarrotado, uma e nada mais. Uma e eu seria feliz, rica até, eu diria. Mas quem doa, até por caridade, espera por resultados, bons frutos. Eu sabia, você descobriu. Não havia terra mais infértil pra se plantar do que essa aqui, essa mesmo, bem aqui no meu peito. Por aqui não há dia, o vento não sopra, a chuva não cai. Meu lado esquerdo sempre foi meio nublado, as vezes noite, sem estrelas. Até que você chegou, como a luz para quem enxerga pela primeira vez. Mas era demais. Muito até pra quem pede, quem espera, quem implora. Eu mentia, você insistia, eu jurava.  Quando a esmola é grande o santo desconfia. Mas só houve esmola, nunca santo, nem milagre.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

BELA


Aconteceu você. Quando eu queria esquecer apareceu alguém para lembrar. Mostra-se o oposto do que diz. Você me bagunça. Sua dualidade me confunde. Seus medos e fraquezas são aceitáveis. Sua coragem é contraditória. Somos Eduardo e Monica, Áries e Escorpião. Muito em comum e incomum. Essa diferença toda é o que atrai. Você é você.  Bela tal qual o nascer do sol numa manhã de outono. Mais leve que a brisa numa tarde de primavera. Simples como um sorriso de uma criança. Complicada e perfeitinha. Clichê? Todos os clichês são aplicáveis a você.  Com o tempo vou saber te decifrar, te desenhar, te descrever. Deixa acontecer eu e você. 

terça-feira, 12 de junho de 2012

AINDA PENSO


Como ela te faz feliz se tudo o que você precisa está em mim. Onde será que eu fiquei aí dentro? Sei que você não pode mais voltar. Entendemos perfeitamente quando nos falam a mesma verdade várias vezes. É difícil aceitar, eu sei. Mesmo sabendo que não é pra ser, ainda quero. Mesmo que você não seja tudo o que eu pensava. Se perfeita fosse estaria comigo, pessoas perfeitas fazem escolhas perfeitas. Pretensão minha, talvez. Mas ainda penso. Eu queria tanto, mas a gente nunca sabe se vai durar uma noite ou uma vida toda. E no nosso caso foi apenas uma noite. Inesquecível. Seus efeitos até hoje, em mim, estão presentes. Então se fez eterno. E o que é eterno para você? Podem ser anos, meses, dias ou apenas uma noite.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

EFEITOS


Alívio seria você sair de mim, assim, leve, eu voaria, habitaria novos lugares. Mas quando passas por mim é como se fosses dona de todo o meu ser, e como se já não bastasse toda minha alma também é tua. Quando enfim compreenderes o que trago no olhar a tua paz vai saber me encontrar. Teus olhos em mim são a alegria da minha vida. Tua voz traz à tona todo o sentimento. Devidamente trancado no fundo de um baú. Esquecido num lugarzinho qualquer, aqui dentro. E teu cheiro inebria meus sentidos. Falta o ar na tua presença. Perco o chão com a tua ausência. Mas me mantenho forte. Indiferente. Ninguém sabe o que eu trago no peito. Todo dia eu provo no mundo o gosto de ser o que sou. Já provei diversas vezes o gosto da dor. Fica aqui comigo, que o dia já está lá fora, mas pode esperar. Aceita todo nosso sentimento sem receio. O futuro ninguém pode prever, mas o presente nós podemos fazer. 

terça-feira, 5 de junho de 2012

... e se?


Recaída. Fraqueza. Eu sempre achei que fosse forte. Pois é, achei errado. Quando mais pensei que estivesse bem, que as feridas estivessem cicatrizadas, via algo que incomodava, corroia, e começava a doer bem lá no fundo onde nem me lembrava existir. Amor? Doença? Ainda não consegui explicar. Mais sabe quando os outros falam que com o tempo passa? No início não cai a ficha, com o tempo sente falta. Depois? Quando se ausenta demais... Você acostuma. Sabe o pior? E se? E se tivesse sido diferente, e se ele mudar, e se não tivesse feito. Chega né?! Isso pelo menos serviu de lição, pensar no SE nunca me levou a nada..o jeito é pensar que escutei tudo que tinha pra escutar, você falou tudo que tinha pra falar e que foi melhor assim. E que com isso você aprendeu, amadureceu, e com certeza permitiu que durasse até onde deu. E nada mais. A dor? Essa ainda me persegue, até quando? Ainda não sei.. Mais o mais estranho são as pessoas que eram tão presentes no seu dia-dia se tornarem tão distantes, frias. E, em um piscar de olhos tudo que você construiu, planejou, sequer imaginou, sucumbiu. Tão simples e ao mesmo tempo complexo. Quero um dia rir de tudo isso, nada mais.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

ESQUEÇA


Esqueça. Por mim. Por você. Para o bem da humanidade. Esqueça tudo o que vivemos até hoje. Todas as palavras ditas impulsivamente. Todas as frases bem articuladas e pensadas previamente. Esqueça horas perdidas pensando em um futuro que não teve forças para se tornar presente. Esqueça todo o frisson da minha presença, que eu esqueço toda inquietação da sua ausência. Esqueça todas as dúvidas e fraquezas, todas as certezas. Porque eu não consigo esquecer esse sentimento dúbio que causa em mim. Só você é capaz de me fazer sentir amor e ódio, alegria e tristeza, desprezo e carinho, indiferença e zelo, raiva e compreensão, guerra e paz. Meu corpo entra em guerra ao te ver, meu coração querendo uma coisa, minha cabeça gritando outra, e eu sofrendo esse duelo interno calada, com total indiferença. Afinal, quem manda aqui sou eu. Quem o coração pensa que é? Só porque ele funciona involuntariamente já acha que é independente? Daqui a pouco quer sua emancipação. Não quero essa guerra toda por culpa de uma menininha que não sabe o que quer da vida. Uma bobona que ainda nem saiu das fraldas. Não quero pagar pela indecisão de vocês. Muito menos pela indecisão dela. Tenho certezas demais para ficar nesse conflito todo.

domingo, 3 de junho de 2012

Game Over

Perdi. Droga. Fim da linha, game over. Quem diria ein? Logo eu, sair derrotada antes dos créditos finais. Zona de conforto, isso resume bem. Nunca sentir nada. Mas, como tudo que tem uma 1ª vez, eu perdi. Perdi meu conforto, minha liberdade, minha garantia, minha confiança. Perdi você, perdi o nós. Perdi o amor. Antes mesmo de perceber que o havia encontrado. Game over.  Mas diferente  da tela de um jogo obsoleto, que pisca sem parar em letras chamativas, o meu cenário é diferente, não existe o botão tentar nova partida. A minha personagem fora derrotada, e o preço é não mais jogar. O Mario me traiu e  me trocou pela princesa do castelo. Nem o dragão mau parece me notar. Ainda que fosse só um vídeo game. Perder e recomeçar. Mas sai sem nova vida, sem moedinha de ouro, sem poderes especiais.  E sem você. Se me perguntar o que dói mais não vou saber responder. Não passei de fase e também não tenho uma nova chance. No meu mundo encantado princesa vive alone e príncipe encantado not can be found. Lobo mau vive em falta e fada madrinha entrou em extinção. Não posso voltar ao zero, e nem dar pause antes de continuar. O tempo não para, o jogo não volta, e você já se foi. Fracassei, talvez por não saber jogar, talvez por achar que jogava bem demais. E perdi, por achar, que ter você, era só parte do jogo.