sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

ILUSÕES

Ela adentrou em minha loja com lágrimas nos olhos. Ansiava por atenção. Parecia querer descontar sua frustração nas compras. Nossa conversa não ultrapassa a mera formalidade de um vendedor e uma cliente. Muito atraente, até me intimidaria não fosse sua carinha de cachorro abandonado numa noite chuvosa sem saber para onde ir. Essa menina inventa de aparecer, completamente desnorteada, justamente no meu dia de comparecer na loja para verificar seu funcionamento, e ainda faltando quinze minutos para encerramos nossas atividades. Ela para de revirar os vestidos e me pede uma bebida forte. Não servimos alcoólicos aqui, só temos água, café descafeinado e chá, nada que a ajude em sua árdua tarefa de tentar obliterar seus problemas. Resolvo então fechar a loja e acompanhá-la até o bar do outro lado da rua. O melhor dry martini da cidade sempre foi minha melhor companhia em noites hostis como a dela. Escolho uma mesinha numa lateral mais reservada e não preciso falar muito, ela já começa seu desabafo. Dou-me conta de que ainda não sabemos nossos nomes. Marina, ela diz. Eu digo meu nome e adiciono a informação que as pessoas, quando simpatizam comigo, me chamam de Léo apenas. A noite transcorre como jazz. Demonstro interesse nela e em sua triste história. Quando vejo estamos no portão de sua casa, nos despedindo com dois beijinhos no rosto como bons amigos. Faço o percurso de volta com toda história na cabeça. Deito e acabo sonhando com um pedaço da conversa da noite, o trecho de um e-mail em que o rapaz de quem ela tanto gosta desabafa: É muito fácil amar com um Corolla na garagem, seis zeros na conta e toda liberdade e disponibilidade para viajar para onde bem entender. Mulheres da sua idade ainda preferem os caras mais velhos, enquanto as com a idade da minha mãe estão com seus garotões. Difícil é saber se com experiência elas também adquirem inteligência ou se os dois são inversamente proporcionais. Desilusões e mais ilusões. No fim você descobre que a verdade sempre esteve dentro do seu coração, mas você quis se iludir. Se enganar. Refutar. Rechaçar qualquer sentimento que cultivou. Mente pra mim, mente pra você, mente para quem quiser acreditar. Ilusão. Sabe que nunca conseguirá enganar seu coração. Você nega mas seu corpo afirma, seus poros exalam desejo, te denunciam. Você não consegue disfarçar. Finge que é feliz. Vai, finge, tenta me ferir, tenta se enganar. Mas avisa aos seus amigos para não revelarem suas verdades inconfessáveis. Seu coração grita, pede por ajuda cada vez que me vê passar. A vontade de jogar pro ar seu amor glacial e seguir suas vontades e instintos ardentes. Você sabe que o que mais anseia é jogar seu velhote de lado e viver nosso amor adolescente. Confessa que não sabe me esquecer. Olho para o seu rosto e não vejo satisfação, muito menos felicidade. Para de fugir da verdade, tem medo de ser feliz? Até quando vai lutar contra tudo o que sente? Até quando vai se enganar? Quando estiver disposta a ser feliz de verdade, me liga. Acordo pensando em Marina. Depois desse e-mail ela resolveu provar ainda mais o quanto ele estava errado, se afundou em seu relacionamento, literalmente. Não teve mais como evitar o fim quando pelo trigésimo dia consecutivo acordou de um sonho com seu menino. O sorriso estampado em seu rosto deu lugar a uma expressão de falsa alegria, forçada ao virar para o lado e encontrar seu namorado trazendo café na cama e um buque de flores. Já não dava mais para sustentar, havia ficado insuportável para ambos. E após uma discussão definitiva ela entrou em minha loja, perdida, tentando se encontrar entre um vestido e outro. Não sei se ela volta, mas espero que siga seu coração.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ETERNO

Toda vez que te vejo é como se fosse a primeira. O coração dispara, as mãos transpiram, as pernas tremem. Surge um turbilhão de sentimentos e recordações dentro de mim. Repasso nosso último dia mil vezes, com mil versões distintas do que eu poderia ter feito e não fiz. Mas já não crio expectativas, nenhum dia será melhor que aquele. Me contento em ver-te e ouvir-te. Minha sina. E, assim, provar do mais doce de seus venenos. Os dias em que não te vejo são vagos. Perco-me te procurando em qualquer esquina, pelas calçadas, por entre os carros. Penso ainda mais em ti. Luto, tento te afastar apenas para rechaçar o asco que sinto de mim mesma, por independente do tempo e de todos os acontecimentos, ainda gostar de ti com a mesma intensidade do primeiro dia. Sempre sobra alguma coisa, uma palavra, um gesto, um toque, um lapso de memória, uma jura qualquer. Real, confidencial, só nossa. Mesmo mínima, acendeu e apagou quase que ao mesmo tempo. Saber da sua reciprocidade mantém viva uma esperança que já quer descansar. Desejo que se encontre, ou que se perca em mim. Mas que venha comigo. Porque em mim se eternizou. 

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

SOZINHO


Estou andando na rua, descalça, debaixo de chuva. Você se foi sem avisar, bateu a porta, não escolheu o dia. Não pediu licença, nem desculpa, nem a chave do carro. Apenas foi. Deixou pra trás o seu casaco, aquele seu chinelo, suas luvas de boxe. Não levou seu travesseiro, nem as suas meias, deixou sua namorada. Repasso as ultimas semanas procurando por algum sinal, qualquer duvida, qualquer palavra atravessada no que me dizia. Escrevo cartas, mando emails, disco seu numero. Sua mãe não sabe me dizer, seu pai nunca fez questão, seus amigos eu desconheço. Não era um dia dificil, uma semana de brigas, ou um mês turbulento. Você acordou comigo e decidiu que não era mais ao meu lado que iria se deitar. Me beijou na boca e saiu sem olhar o meu rosto. Acariciou meus cabelos, mas não soube dizer adeus. Pra alguém que sempre andou a dois, é difícil seguir sozinho. Não cabe aceitação. Ou superação, determinação, esquecimento. A gente continua, mesmo quando não pode. E a gente aprende, até o impossível.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

(IN)CERTEZAS

A paixão acaba. Surge o amor que vai se perdendo por entre os dias. Sobra o carinho, o respeito, a consideração. Então você vai ficando. Não porque o sentimento ainda é latente, fica por comodidade, considera os anos de cumplicidade. Fica por não estar disposta a começar tudo outra vez e passar por todas aquelas fases até o relacionamento realmente amadurecer. Fica porque é mais fácil, mais seguro. Porque todos aqueles sentimentos que uma nova paixão causa são avassaladores demais. Abalam toda sua segurança. Por isso você continua. Pois a certeza de ser amado é confortável demais para arriscar tudo por uma nova paixão que não se sabe bem onde vai dar. Não sentir as mãos suando, o coração acelerado, a boca seca, as pernas tremerem, as palavras sumirem, a falta de ar e mais um punhado de sinais e sintomas dessa enfermidade é ter tudo sob controle. Covarde! Ta bom, eu sei, não tem como julgar. Todos buscam por estabilidade e segurança. Até eu. Mas como ter sem arriscar?... Sem perder o controle? Todos nós, pelo menos alguma vez, antes de qualquer equilíbrio, nos aventuramos nas incertezas de uma paixão. A vida é curta demais para não arriscar ser feliz. No fim, você lembrará de quem fez seu coração vibrar. De quem, independente das consequências, te fez feliz, mesmo que por breves minutos. 

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

DEVANEIOS


Desgovernada, essa é a palavra que resume minha vida no atual momento. Há tempos perdi o controle. Vivo metendo os pés pelas mãos. Decisões equivocadas. Atitudes impensadas. Erros atrás de erros. Acertos esporádicos. Enganos. Uma realidade inventada. Forcei-me a viver aquilo, por não querer estar sozinha. Hoje, livre, vejo quanto tempo desperdicei. Quantas coisas vividas em vão. Na impulsividade fui infeliz. Um ano perdido com devaneios. Tentando apagar da memória um passado mais do que presente em mim. Eu sei que meus sentimentos estão guardados num relicário no fundo desse coração. Trancado. Calado. Amarrado. Vendado. Impossibilitado de qualquer manifestação. Vivendo outros amores. Tentando fugir. Mas não esqueça que tentar esquecer é lembrar e não viver.

domingo, 11 de novembro de 2012

SOMBRA


Sempre fui do seguro. Do intacto, do previsível, conciso. O abstrato me tira o equilíbrio. Pra alguém objetivo demais, o subjetivo assusta, é calamidade estatal. Sempre gostei de uma boa sombra, da tranquilidade que ela proporciona, da segurança que ela trás. A luz do sol me cega, brilhante demais, quente demais. Não é nada particular, preciso insistir. Você se toma de dores que não são tuas, muito pelo contrario. De toda essa minha solidez, quase nada é inabalável. “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, nunca foi preciso tanto. Eu te dou passagem se quiser, só não prometo caminhar com teus passos. Ninguém muda de um dia para o outro. Você ensina, mas eu preciso aprender. Uma pedra não impede o percurso da água, mas é preciso mais, pra fazê-la mudar a direção.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

PRIMEIRO AMOR

Você chegou com todas as certezas que eu precisava naquele momento. Sanou todas as dúvidas. Pôs fim em todas minhas angustias. Passou toda confiança necessária para enfrentar tudo o que viria pela frente. Todas as dificuldades que nos fizeram tão próximos e cúmplices. Só você até hoje me mostrou e me fez viver um verdadeiro amor. Aquele idealizado por todos. Que buscamos a vida toda encontrar. Um amor bonito, forte, que só a gente entendia. Lembro-me com carinho dos sorrisos, das brigas, confissões, declarações, das juras de amor eterno, de todas as mentirinhas que tivemos de inventar. Do ano novo chuvoso. Do carnaval preguiçoso. De como era bom compartilhar com você meus medos, meus sonhos, minhas angústias, minhas alegrias, meus planos. Mas os problemas aumentaram. Fui fraca. Parti. Soltei sua mão. Tava difícil demais segurá-la com todas as tempestades surgindo. Procurei abrigo. Um lugar seguro. Já não era mais os seu lado. Me vislumbrei pela venustidade de outra. Que erro. Não tinha nada a oferecer além de sua beleza. Futilidade. Passou. Mas você ficou. Permanece ate hoje. E para sempre ficará guardada em mim. Perdoe-me primeiro amor. Por todas as vezes que fui rude e não tive maturidade para entender seu amor. Puro. Imenso. Desmedido. Quase irreal. 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

FALTA

Fechei as janelas, tranquei a porta, troquei de fechadura. É ruim ter de ouvir o vento lá fora e não te imaginar chegando em casa. O barulho da garagem, os passos contra o piso de madeira, o girar da maçaneta. Era a nossa hora do dia. Ali não havia chefe, faculdade, colesterol alto ou telefone da mamãe que interferisse. Porque era eu e você, e isso bastava. Como em um carro que corre em alta velocidade, onde o que se vê do lado de fora são apenas borrões, eu perdi a direção. Porque eu conheço você. Esse seu jeito de quem não liga, que não se importa. Mas que de noite abraça forte e só dorme depois de me ter nos braços. Mesmo com seu silêncio, eu não me incomodava. Nunca pensei que pudesse significar outra coisa. Você nunca disse, mas também, nunca fez falta. Até porque lidar com as palavras nunca foi nosso forte. Muito pelo contrário. Um olhar diz mais que mil palavras, e no nosso caso, dizia todas. 

domingo, 2 de setembro de 2012

TE ENCONTREI

Depois de uma semana daquelas, você toca minha campainha e traz consigo um bom vinho e o DVD do Caetano. Então matamos a saudade e colocamos o amor em dia. Sua cumplicidade, seu carinho, sua segurança. Minha paz. O tempo corre quando estou ao seu lado. Parece não entender a falta que você me faz. No fim de cada semana a única coisa que preciso são dos seus melhores sorrisos. Seu abraço. Braços que me fazem pequenino. Você me dizendo para esquecer tudo. Pensar no agora. Descansar nos seus braços. Porque amanhã nossa praia tá de pé e eu prometi te ensinar a surfar. Temos todo tempo do mundo, eu te digo. Agora escuta esse trecho do Caetano "Teu corpo combina com meu jeito Nós dois fomos feitos muito pra nós dois". Você ri e eu me derreto com seu olhar. Como consegue fazer eu me apaixonar ainda mais a cada minuto ao seu lado? Um pensamento ruim me faz te abraçar forte. Percebo que amando a gente abraça o mundo, até porque, aqui e agora meu mundo é você. Recordações da minha ultima cirurgia, você percebe. Ainda não acredito que nada pude fazer. Ou melhor, fiz o que pude. Não foi o primeiro nem será o ultimo paciente a partir nas minhas mãos. Toda perda é triste. Ainda não me acostumei. Tento esquecer a semana difícil. É só olhar para você que todo pensamento ruim da lugar aos bons. Como você consegue menina? Sua voz traz paz, serenidade e conforto. Você é tudo o que eu sempre procurei. E finalmente encontrei. 

terça-feira, 28 de agosto de 2012

CAMPEONATO


Aceitar que não sou a melhor opção. Opção? Segundo plano. Sabe aquele jogador reserva que fica no banco ansioso pra entrar no jogo e provar ao técnico que é capaz, que seu lugar é entre os titulares? Assim que eu me sinto. Se não der certo com João tem o Joaquim. Estar a disposição a qualquer momento. Quando você sabe que é melhor que muitos titulares e mesmo assim aceita ficar no banco, você deixou de ser reserva para ser trouxa. Já passou da hora de eu agir, entrar no jogo e provar, até para mim mesmo, a que vim. Só preciso de um time estruturado, que saiba do que precisa. Cansei de me esforçar como atacante numa equipe que precisava de um bom zagueiro. Trabalho pesado, sem retorno algum. Sem reconhecimento. Preciso ser acolhido como um fenômeno. Um time que me receba como a peça chave, o homem que faltava para serem campeões esse ano. Na temporada passada cansei de esperar minha vez. Promessas e mais promessas que nunca se realizaram. O banco sempre foi meu lugar no campeonato do seu coração. O campeonato acabou, fomos rebaixados. Pedi demissão. Tenho propostas tentadoras. Não foi bom enquanto durou. Foi angustiante, doloroso, desmotivador. Senti-me um nada todos esses meses esperando para entrar em campo. Tinha muito a oferecer. Eu tenho certeza. Não sou jogador que entra para perder. Por isso to indo ser o camisa 10 em outra equipe. O que me prometeram estão cumprindo. Espero que seu time suba para a primeira divisão sem muita dificuldade. Boa sorte com suas escalações! 

domingo, 19 de agosto de 2012

FICA


Pra onde você vai? Eu te deixo ir, mas espera. Vamos conversar. Você tem certeza? Eu te disse que pode, não que deve ou precisa. Fica. Só mais um pouco, ou o tempo que precisar. Eu não me importo, apenas fique. E me olha. Fala comigo. Não me deixa acreditar que foi tudo em vão, que no fim, não restou nada. Eu juro que tento, mas se começo a pensar eu me perco. E te encontro, e nos acho, e então, como? Como foi que viemos parar aqui? Prometo não perguntar mais nada. Eu digo que virei a pagina, que sou uma nova pessoa, que conheci uma cara legal. Todos já sabem. O chefe, o porteiro e também o seu zé da padaria. Sabe como é, já estava cansada das perguntas sobre você. Não queria ter que dizer a verdade. Pra bom entendedor, meia palavra basta. E isso eu nunca fui. Então, por favor, não economiza nas palavras. Diga. Apenas diga. Eu preciso saber. Quer gritar? Então use palavras feias, me insulte, jogue coisas na minha cara. Mas quebra esse gelo, tira essa parede que separa o que a gente foi um dia de quem somos hoje. Eu jurei que não ia procurar, que ia esquecer. Mas tentar esquecer é ainda pior que lembrar. É a certeza de que mais uma vez eu perdi, e que nem mesmo quando nada mais existe, eu permaneço, mesmo se te deixo ir.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

TEMPO


Meu estoque de palavras sobre você se esgotaram junto com tudo o que eu sentia. Não gasto mais meu tempo pensando no que já passou. Eu sabia que de alguma forma estaria lhe retribuindo a consideração e o respeito em algum momento. Tudo aconteceu fácil demais, e terminou mais fácil ainda. Fugaz. Criar expectativas com quem jamais vai superá-las. Ilusão. Tudo é um ciclo. Só seremos fortes o suficiente quando aprendermos a estar preparados para o fim. E com você eu sempre estive. Tem como saber que não vai dar certo desde o primeiro beijo, é fácil. Mas você não quer acreditar, quer insistir, arriscar. Vai que estava enganada. Quando o início é complicado o fim é certo. Encontrei em ti tudo que uma pessoa pode ter de errado. E mesmo assim quis tentar. Mudar você. Mas ou você ama do jeito que a pessoa é, com todas as imperfeições, ou cai fora. Namoro tem que trazer paz e você só me trouxe guerra. Agora é brisa no rosto, folha em branco, pés descalços, caneta na mão e ideias ao vento. Escrever uma nova página. Uma história mais calma e mais serena.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

EM VÃO


Tudo foi em vão? Não precisa responder, eu posso ver e sentir. Não sei nem dizer qual sentimento existiu entre nós. Você foi o maior dos meus enganos. “Dos amores que eu tive. O mais complicado e o mais simples pra mim”. Só você para me levar até as musicas do Roberto. E mesmo sabendo desde o início quem você era, resolvi arriscar. Sei lá o que dá na gente. Uma vontade cega de acreditar no outro. Mesmo sabendo que não deve. Sem certezas segui meu instinto. Cara na areia. Coração arranhado. Sede de amor. Você era o Saara e eu um dromedário, perdido na sua imensidão ignota. Tive delírios. Alucinações. Me perdi. Encontrei água. Encontrei-me. Tive ilusões. Me perdi novamente. E desta vez não me achei. Continuo sem saber onde piso, para aonde eu vou, se tento me achar ou esqueço essa história. Quem sabe algum dromedário me encontre e mate a minha sede. Como saber? Melhor andar perdida do que pseudo-encontrada. 

terça-feira, 7 de agosto de 2012

DESAFIO


O desafio dos meus dias tem sido não pensar em você. Que tarefa dificil. Tudo me remete a ti ou a nós. Ocupo a cabeça pensando na medicina, nas festas, nos amigos. Mas em tudo o que eu penso, no inicio ou no fim, acabo te encontrando. Perdida, passeando por mim, cutucando a ferida que tenta a todo custo cicatrizar com sua "ausencia". Devia ter deixado um manual de como te esquecer em cinco dias. Como é difícil não pensar em você, desejar sua presença, seu cheiro, seu toque. Ando perdida. Distraída. Ausente do mundo. Me traz de volta. Deixa eu pisar no chão e caminhar. Seguir a vida que eu costumava viver antes de você aparecer e virá-la de ponta cabeça e me transformar dessa forma. Me esquece garota! Cuida da sua vida! Quando o meu maior desejo é dizer: volta, me salva dessa vida!

terça-feira, 10 de julho de 2012

ACABOU

E quando você sabe que o fim está próximo? O que fazer com todos os planos? Como lembrar toda a nossa história? Guardar os momentos bons e esquecer os ruins? Ou guardar tudo com o carinho de sempre? Não sei quem errou. Como tanto amor pode se perder por entre os dias? Eu vou dizer tchau. Espero que ainda sejamos amigos. Temos sintonia, afinidade, mas já nos falta o desejo.  Não me venha com esse papo de que quer mais uma chance. Perdi as contas das chances que já dei para o nosso amor. Não foi culpa sua, nem minha. Aconteceu. O amor acabou. E não sei se serei capaz de amar novamente. Esse iceberg já naufragou muitos navios. Amar requer esforços, trabalhoso demais. Tem suas recompensas, admito. Por hora é melhor assim. Vamos conhecer o mundo que nos privamos de conhecer, o mundo que deixamos passar enquanto estávamos vivendo o nosso. 

quinta-feira, 5 de julho de 2012

PARTIDA

Amanha de madrugada saio de viagem. Não sei quanto tempo vai levar, talvez um ano, duas semanas, alguns meses. Comprei passagem de ida, sem me preocupar com a volta. Pra quem gostava de planejar, hoje o único plano é seguir. Não me olha desse jeito, como quem não soubesse. Você nessa viagem foi meu agente turístico. Indicou os melhores pacotes, deu um desconto na passagem, e até um brinde promocional. Não se faça de desentendido, não é a hora. Dias se passaram nesse processo. Era eu quem sempre adiava, quem sabe amanha. Tentei fugir, mas foi inevitável. A porta já estava aberta pra mim, a mala feita. Não levo muita coisa, não tenho muita coisa. Fique com tudo, mas não se engane. É pouco. Nesse seu joguinho, parabéns, a vitoria foi sua. Eu já retirei meu time de campo, entreguei os dados. Não sou de lamentar, mas também não posso mentir. Às vezes é cansativo ser estrangeira. Eu tenho sede de lar. Quero poder chegar em casa e deitar no meu sofá, tomar um café. Eu não sou de dezembro, mas de janeiro, agosto e novembro. Nunca fui metade. Muito menos 30 dias. Não paguei a vista, pra viver por parcela.

terça-feira, 3 de julho de 2012

INSPIRAÇÃO


Quando descobre que sua inspiração é dor, sofrimento e solidão. Ter um amor e não conseguir escrever uma só linha não é nada bom. O que para muitos é fundamental, no meu caso só tem atrapalhado. Cada linha em branco eu concordo mais quando Vinicius diz que para fazer samba é preciso um bocado de tristeza. Para escrever seja lá o que for é preciso tristeza. O que seria de Clarisse, Vinicius, Tom, Pessoa, Drummond e tantos outros se não fosse um coração partido, um amor perdido, uma paixão inacabada? A felicidade também inspira, não posso negar. Mas nos ocupa, nos preenche, toma nossos dias, ficamos sem tempo para ser outra coisa que não seja feliz. Só sobra tempo para viver, nem pensar conseguimos mais. E tem coisa melhor que nos ocupar sendo felizes? E diferente do que Vinicius disse, um amor pode ser grande sem ser triste. São os amores felizes que cultivamos com grande carinho em nossos corações. Mas para viver um grande amor é preciso apostar, arriscar e não ter medo de perder. Os pessimistas não chegam nem a apostar e deixam de viver por puro medo. Os otimistas acabam acreditando demais e apostando além do que deviam. Os realistas não deixam de apostar, avaliam as possibilidades e arriscam. Não tem como saber se vai dar certo. Não podemos deixar de viver por medo de sofrer. O medo no amor é o pior dos sentimentos, te impede de sentir, de amar, de sonhar. Te deixa com os pés colados ao chão. E para amar é preciso voar, permitir-se levitar. Amar é estar a três metros do chão e não ter medo de cair. Pois qualquer queda vale a pena quando se ama. 

quinta-feira, 28 de junho de 2012

EXPERIÊNCIA


Surpresa. Tristeza. Compreensão. Pena. Medo. Muitos sentimentos, pouco tempo para assimilação. Ainda não sei o que pensar. Falta maturidade. O coração diz o que a cabeça não consegue aceitar, muito menos entender. Às vezes eu acho que Deus pensa ser comediante, ou que minha vida é um circo e eu sou a palhaça do picadeiro. Não entendo o propósito de certas coisas. É só para adquirir maturidade e experiência? Não existe uma forma menos traumatizante? É muito triste com o tempo você perder sua ingenuidade, pureza, sua capacidade de acreditar nas pessoas. A minha evolução foge do meu controle. As minhas mudanças me assustam. Preciso aprender a praticar o desapego, aprender a ser leve e me importar menos. É difícil quando você se importa mais com quem está ao seu lado do que com você mesmo. Ser egoísta deixa de ser necessário e passa a ser vital. Deixar de ser fiel à minha própria natureza, jamais. Mas me vejo sem escolhas. Refrear. Reconsiderar. Renegar. Mas nunca deixar de viver.

terça-feira, 19 de junho de 2012

CHEGADA


Ela chegou. Eu sorri. Nós dois queríamos. Sem promessas, cobranças, sem o peso do compromisso. Só a leveza da paixão. O interesse mútuo.  A ânsia do descobrimento, saber se daria certo. Você apareceu quando eu menos esperava. Quando minhas esperanças de esquecê-la tinham se esgotado. Chegou como um sopro de vida. Uma luz na escuridão. Trouxe a brisa da primavera, a leveza para meus dias de caos. Trouxe espontaneidade, simplicidade, molecagem. Tudo com você é fácil e simples. Acontece de forma natural. Gostoso de viver.  Não existe bicho de sete cabeças. Sem aqueles traumas passados. Vamos viver como se fosse nosso primeiro romance. 

domingo, 17 de junho de 2012

ESMOLA


Eu que pensei, e não falei. Desliguei no primeiro toque, salvei a mensagem nos rascunhos, falei que tudo estava bem. A gente se via, se entendia, se completava. Eu do lado de cá, confusa, complicada, sentimentalmente precária. E você de lá, alegre, espontâneo, ingênuo e cheio de amor pra dar. Pra dar, doar, emprestar. Eu só pedia uma moedinha desse seu cofre abarrotado, uma e nada mais. Uma e eu seria feliz, rica até, eu diria. Mas quem doa, até por caridade, espera por resultados, bons frutos. Eu sabia, você descobriu. Não havia terra mais infértil pra se plantar do que essa aqui, essa mesmo, bem aqui no meu peito. Por aqui não há dia, o vento não sopra, a chuva não cai. Meu lado esquerdo sempre foi meio nublado, as vezes noite, sem estrelas. Até que você chegou, como a luz para quem enxerga pela primeira vez. Mas era demais. Muito até pra quem pede, quem espera, quem implora. Eu mentia, você insistia, eu jurava.  Quando a esmola é grande o santo desconfia. Mas só houve esmola, nunca santo, nem milagre.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

BELA


Aconteceu você. Quando eu queria esquecer apareceu alguém para lembrar. Mostra-se o oposto do que diz. Você me bagunça. Sua dualidade me confunde. Seus medos e fraquezas são aceitáveis. Sua coragem é contraditória. Somos Eduardo e Monica, Áries e Escorpião. Muito em comum e incomum. Essa diferença toda é o que atrai. Você é você.  Bela tal qual o nascer do sol numa manhã de outono. Mais leve que a brisa numa tarde de primavera. Simples como um sorriso de uma criança. Complicada e perfeitinha. Clichê? Todos os clichês são aplicáveis a você.  Com o tempo vou saber te decifrar, te desenhar, te descrever. Deixa acontecer eu e você. 

terça-feira, 12 de junho de 2012

AINDA PENSO


Como ela te faz feliz se tudo o que você precisa está em mim. Onde será que eu fiquei aí dentro? Sei que você não pode mais voltar. Entendemos perfeitamente quando nos falam a mesma verdade várias vezes. É difícil aceitar, eu sei. Mesmo sabendo que não é pra ser, ainda quero. Mesmo que você não seja tudo o que eu pensava. Se perfeita fosse estaria comigo, pessoas perfeitas fazem escolhas perfeitas. Pretensão minha, talvez. Mas ainda penso. Eu queria tanto, mas a gente nunca sabe se vai durar uma noite ou uma vida toda. E no nosso caso foi apenas uma noite. Inesquecível. Seus efeitos até hoje, em mim, estão presentes. Então se fez eterno. E o que é eterno para você? Podem ser anos, meses, dias ou apenas uma noite.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

EFEITOS


Alívio seria você sair de mim, assim, leve, eu voaria, habitaria novos lugares. Mas quando passas por mim é como se fosses dona de todo o meu ser, e como se já não bastasse toda minha alma também é tua. Quando enfim compreenderes o que trago no olhar a tua paz vai saber me encontrar. Teus olhos em mim são a alegria da minha vida. Tua voz traz à tona todo o sentimento. Devidamente trancado no fundo de um baú. Esquecido num lugarzinho qualquer, aqui dentro. E teu cheiro inebria meus sentidos. Falta o ar na tua presença. Perco o chão com a tua ausência. Mas me mantenho forte. Indiferente. Ninguém sabe o que eu trago no peito. Todo dia eu provo no mundo o gosto de ser o que sou. Já provei diversas vezes o gosto da dor. Fica aqui comigo, que o dia já está lá fora, mas pode esperar. Aceita todo nosso sentimento sem receio. O futuro ninguém pode prever, mas o presente nós podemos fazer. 

terça-feira, 5 de junho de 2012

... e se?


Recaída. Fraqueza. Eu sempre achei que fosse forte. Pois é, achei errado. Quando mais pensei que estivesse bem, que as feridas estivessem cicatrizadas, via algo que incomodava, corroia, e começava a doer bem lá no fundo onde nem me lembrava existir. Amor? Doença? Ainda não consegui explicar. Mais sabe quando os outros falam que com o tempo passa? No início não cai a ficha, com o tempo sente falta. Depois? Quando se ausenta demais... Você acostuma. Sabe o pior? E se? E se tivesse sido diferente, e se ele mudar, e se não tivesse feito. Chega né?! Isso pelo menos serviu de lição, pensar no SE nunca me levou a nada..o jeito é pensar que escutei tudo que tinha pra escutar, você falou tudo que tinha pra falar e que foi melhor assim. E que com isso você aprendeu, amadureceu, e com certeza permitiu que durasse até onde deu. E nada mais. A dor? Essa ainda me persegue, até quando? Ainda não sei.. Mais o mais estranho são as pessoas que eram tão presentes no seu dia-dia se tornarem tão distantes, frias. E, em um piscar de olhos tudo que você construiu, planejou, sequer imaginou, sucumbiu. Tão simples e ao mesmo tempo complexo. Quero um dia rir de tudo isso, nada mais.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

ESQUEÇA


Esqueça. Por mim. Por você. Para o bem da humanidade. Esqueça tudo o que vivemos até hoje. Todas as palavras ditas impulsivamente. Todas as frases bem articuladas e pensadas previamente. Esqueça horas perdidas pensando em um futuro que não teve forças para se tornar presente. Esqueça todo o frisson da minha presença, que eu esqueço toda inquietação da sua ausência. Esqueça todas as dúvidas e fraquezas, todas as certezas. Porque eu não consigo esquecer esse sentimento dúbio que causa em mim. Só você é capaz de me fazer sentir amor e ódio, alegria e tristeza, desprezo e carinho, indiferença e zelo, raiva e compreensão, guerra e paz. Meu corpo entra em guerra ao te ver, meu coração querendo uma coisa, minha cabeça gritando outra, e eu sofrendo esse duelo interno calada, com total indiferença. Afinal, quem manda aqui sou eu. Quem o coração pensa que é? Só porque ele funciona involuntariamente já acha que é independente? Daqui a pouco quer sua emancipação. Não quero essa guerra toda por culpa de uma menininha que não sabe o que quer da vida. Uma bobona que ainda nem saiu das fraldas. Não quero pagar pela indecisão de vocês. Muito menos pela indecisão dela. Tenho certezas demais para ficar nesse conflito todo.

domingo, 3 de junho de 2012

Game Over

Perdi. Droga. Fim da linha, game over. Quem diria ein? Logo eu, sair derrotada antes dos créditos finais. Zona de conforto, isso resume bem. Nunca sentir nada. Mas, como tudo que tem uma 1ª vez, eu perdi. Perdi meu conforto, minha liberdade, minha garantia, minha confiança. Perdi você, perdi o nós. Perdi o amor. Antes mesmo de perceber que o havia encontrado. Game over.  Mas diferente  da tela de um jogo obsoleto, que pisca sem parar em letras chamativas, o meu cenário é diferente, não existe o botão tentar nova partida. A minha personagem fora derrotada, e o preço é não mais jogar. O Mario me traiu e  me trocou pela princesa do castelo. Nem o dragão mau parece me notar. Ainda que fosse só um vídeo game. Perder e recomeçar. Mas sai sem nova vida, sem moedinha de ouro, sem poderes especiais.  E sem você. Se me perguntar o que dói mais não vou saber responder. Não passei de fase e também não tenho uma nova chance. No meu mundo encantado princesa vive alone e príncipe encantado not can be found. Lobo mau vive em falta e fada madrinha entrou em extinção. Não posso voltar ao zero, e nem dar pause antes de continuar. O tempo não para, o jogo não volta, e você já se foi. Fracassei, talvez por não saber jogar, talvez por achar que jogava bem demais. E perdi, por achar, que ter você, era só parte do jogo.

quinta-feira, 31 de maio de 2012

ARRISQUE-SE


Como saber o que é o amor. Algumas pessoas só começam a ter uma noção aproximada do que se trata isso quando se machucam pela vida, se arriscam, rompem as barreiras do medo. Com o tempo você aprende que não tem como evitar. Acontece alheio a sua vontade. E tem sempre o lado de quem ama e o de quem é amado. E geralmente quem é amado vai fazer sofrer quem o ama. É a regra natural da vida, aceite. O que eu não entendo é a sua insistência pelo que te faz mal. Já não sangrou o suficiente? Ai você vai me falar que não tem como prever. É verdade, o amor é mesmo uma coisa imprevisível, pode causar dor ou uma felicidade que não cabe no peito. Mas nunca vem com uma bula, avisando as contraindicações, os efeitos colaterais e sua posologia. Não há precedentes, mas, como regra geral, eu acho, que se você não se permitir nunca sentirá os benefícios de um verdadeiro amor.

terça-feira, 29 de maio de 2012

QUANTO VALE


Fugi da certeza, me escondi do previsto, trapaceei o inevitável. Eu zombei do espelho, corrigi as lagrimas, reafirmei o impossível. Fechei os olhos, fingi que te entendia, imaginei suas palavras. Parei de andar na linha, te cobrei telefonemas, dormi com seu amigo. Ta tudo bem. Eu ouvia, você dizia, a gente confirmava. Tudo muito bem. Sua mãe é minha amiga, meu pai te adora, você tem seu lugar no meu armário, lembra? Sua carteira ta comigo, meu cd no seu carro, as passagens estão reservadas. Dia 10 faz dois anos, como passou rápido. Juntos pra sempre, não é meu amor? Quanto tempo a gente leva pra perceber que acabou, o futuro não é mais nosso, seus planos não são mais comigo. O conforto de ter alguém é também a prisão de quem nada se tem. Ninguém quer perder sem ter algo pra somar. Mas a gente se ama não é mesmo, você jurou. E eu prometi. Quanto vale o amor de quem ama por medo de ficar sozinho?

quarta-feira, 21 de março de 2012

INQUIETUDE


Jamais imaginei tamanha inquietude
Desejar o que não pode ser seu
Onde o amor era só virtude
Onde todo desejo se escondeu

Mesmo assim eu ainda acredito
Em teus braços viverei
Vivo nessa ilusão aflito
E seu beijo nunca esquecerei.